Setembro Azul e sua importância para a comunidade surda

Você já se deparou com o termo Setembro Azul? Sabe o que ele significa e qual causa ele defende? Se não tem ideia do que estamos falando, não se preocupa que aqui nesse artigo vamos te explicar tudo 😉

Como você já deve conhecer, existem diversas campanhas de conscientização atreladas aos meses do ano, como Setembro Amarelo, Outubro Rosa e Novembro Azul. Cada uma delas apoia uma causa importante, em um mês marcante para a comunidade à sua volta. O mesmo acontece em relação ao Setembro Azul! Esse mês comemora as conquistas e a luta das pessoas surdas no mundo, além de promover discussões e reivindicações sobre acessibilidade e inclusão.

Por que a cor azul?
A cor azul é bastante significativa para a comunidade surda, apesar de possuir uma história triste por trás dela. Durante a Segunda Guerra Mundial, o nazismo considerava as pessoas com deficiência como inferiores ao resto da sociedade. Por conta disso, elas eram obrigadas a usar uma faixa azul no braço, para serem facilmente identificadas. 

Com o passar do tempo, a cor azul foi passando por um processo de ressignificação com as pessoas surdas. A primeira vez que isso aconteceu foi em 1999, durante a Cerimônia da Fita Azul (Blue Ribbon Ceremony). Nela, o Dr. Patty Ladd, um homem surdo, usou aquela mesma faixa azul como símbolo de resistência à opressão enfrentada pelas pessoas surdas naquela época e o orgulho da identidade surda

Hoje em dia, a cor utilizada é o azul turquesa. Ela representa a riqueza cultural da comunidade surda, ao mesmo tempo em que é uma cor vibrante e cheia de vida.

Os principais eventos dentro do Setembro Azul
O mês de setembro foi escolhido para celebrar essa causa por concentrar várias datas importantes para a comunidade surda:

  • Dias 6 e 11: foram nesses dias que ocorreu o famoso Congresso de Milão em 1880. Nele, pessoas majoritariamente ouvintes se reuniram para discutir sobre o futuro da educação da comunidade surda. No evento, ficou decidido que o uso das Línguas de Sinais seria proibido a partir de então, fazendo com que as pessoas surdas fossem obrigadas a se adaptar às línguas orais e escritas de novo.
  • Dia 23: esse é o Dia Internacional das Línguas de Sinais! A data é usada para estimular discussões sobre a acessibilidade nessas línguas em todos os espaços.
  • Dia 26: talvez a data mais marcante do mês, o Dia Nacional da Pessoa Surda foi criado em homenagem à fundação do INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos), em 1857. Essa foi a primeira instituição educacional voltada para pessoas surdas do Brasil.
  • Dia 30: aqui celebramos o Dia Nacional do Tradutor e Intérprete de Libras, que são pessoas super importantes para a inclusão da comunidade surda na sociedade. São elas que nos ajudam a quebrar algumas das barreiras de comunicação entre pessoas surdas e ouvintes. 

Qual o papel das pessoas ouvintes nessa época do ano?
Você se engana se acha que, por ser ouvinte, não tem nenhuma relação com o Setembro Azul. Nesse período de celebração, seu papel é ajudar a dar visibilidade a essa causa tão importante. Pode começar pensando em como são suas interações com as pessoas surdas. Será que você faz parte de uma cultura ouvintista, ou de uma cultura de inclusão? Além disso, você acha que existe acessibilidade suficiente nos lugares que você frequenta, tanto físicos como digitais? 

Em nenhum momento se deve tentar ocupar o espaço da pessoa surda em suas reivindicações, mas você pode aproveitar o Setembro Azul para entender mais sobre a causa e se aliar a essa luta por mais inclusão e acessibilidade. Que tal começar aprendendo a Libras ou conhecendo um instituto de ensino para pessoas surdas, por exemplo?💪

Sobre a Hand Talk
Fundada em 2012, a startup brasileira Hand Talk foca em fazer bom uso da tecnologia trazendo mais acessibilidade para o mundo. A empresa oferece dois produtos diferentes, o Hand Talk App, que realiza traduções digitais e automáticas para Libras e ASL (Língua Americana de Sinais), e o Hand Talk Plugin, que torna sites acessíveis para a comunidade surda com traduções para Libras. Ambas as soluções contam com a ajuda de seus simpáticos tradutores virtuais 3D, o Hugo e a Maya. Esses dois vão além de apenas traduzir conteúdo, mas também estão aproximando pessoas através do uso da tecnologia e comunicação, aplicada em diversos ambientes, como salas de aula, famílias e empresas. Com sua ajuda, a Hand Talk busca quebrar barreiras de comunicação, contribuindo para um mundo mais justo e inclusivo.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Menu